Estudo prevê R$ 20 mi para obras no estádio da Portuguesa, na Ilha do Govenador

A diretoria do Flamengo tenta acelerar o projeto da expansão e reforma do estádio da Portuguesa na Ilha do Govenador. Com estudo de viabilidade em mãos, que prevê custo de pouco mais de R$ 20 milhões para entregar o estádio em maio ou até junho, o clube se movimenta para captar empresas interessadas na obra. Na manga, um trunfo: a isenção de ICMS para companhias que toparem investir na reforma do antigo campo do time da Ilha do Governador.

Apesar de otimista, o diretor geral do Flamengo, Fred Luz, reconhece que para o estádio ser viável para jogos de pequeno e médio porte do time, a solução para a reforma tem que sair em alguns dias, no máximo até o final do ano.

– Estamos dependendo de patrocinadores, mas estamos animados.Achamos que vai sair. Tem que resolver agora, nas próximas duas semanas, para então iniciar a obra. Teríamos que ter o estádio pronto em maio ou junho. Se for julho, a gente já perde muito o interesse – explicou Luz.

Neste momento, a diretoria do Flamengo, que assinou carta-compromisso com a Lusa carioca – o clube da Ilha receberia remuneração como contrapartida pelo uso do estádio -, sai atrás da captação de empresas. O secretário de Esportes e Lazer do município, Marcos Braz, ex-vice de futebol do Flamengo, que foi eleito vice-presidente do Conselho de Administração do clube nesta quarta-feira, é um aliado importante no projeto. O estado garantiria isenção de Imposto de Isenção de Mercadorias e Serviços (ICMS) para as empresas parcerias na obra. Nem Flamengo, nem Fluminense e Botafogo, que participam do projeto e usariam o estádio, teriam custos com a obra no estádio da Ilha do Governador.

Fonte: Globo Esporte