Cuéllar exalta Flamengo: “Maior da América”

Elogiado pelo técnico Muricy Ramalho, que o vê como opção para melhorar a saída de bola do Flamengo, o colombiano Gustavo Cuéllar não é exatamente um volante central, que fica à frente da zaga. Ele explica, em entrevista ao GloboEsporte.com, que vinha atuando como segundo homem em seu país – e até atuou assim em amistoso recente da seleção da Colômbia. Porém, virar um “volante tapón”, expressão usada no seu país para o jogador de meio que tem a missão de proteger a zaga, só vai depender do esquema de jogo.

Jovem ainda, aos 23 anos o jogador nascido em Barranquilla mostrou-se empolgado com a chance de defender o Flamengo, a quem tratou como o clube mais importante e mais popular das Américas.

Ele deve chegar ao Rio neste sábado. O contrato com o Flamengo será de quatro anos. A operação exigiu habilidade da diretoria rubro-negra. E, claro, muita grana. O clube pagou à vista US$ 500 mil ao Deportivo Cali. O restante, mais US$ 1,5 milhão, fica para o meio do ano que vem. Muricy comentou a expectativa da chegada do novo gringo no Flamengo e citou o histórico de bons volantes nascidos no país sul-americano.
– A Colômbia tem histórico de volantes que sabem jogar. Estávamos procurando nesse mercado, encontramos esse jogador que o Cruzeiro também estava disputando. Tem bom passe e sai rápido para o ataque. Isso é importante, porque hoje, cada vez mais, o jogo começa nos volantes e ele não pode ser só marcador. Estávamos monitorando há algum tempo, ele se encaixa no perfil. Vai ser valorizado, convocado pra seleção. Isso também é importante para o negócio – disse o treinador após o empate contra o Ceará e a derrota nos pênaltis.

Confira abaixo o bate-papo com o reforço rubro-negro:

Como se sente como novo jogador do Flamengo, de atuar no futebol brasileiro?

Estou muito contente, meu coração está muito contente. É uma oportunidade enorme para mim, para minha carreira esportiva e no lado pessoal. Estou muito feliz que o clube mais importante da América e com a maior torcida da América tenha se interessado por mim. Tenho muito orgulho, espero fazer as coisas da melhor maneira com muito esforço, trabalho e dedicação. Fazer o mesmo que vinha fazendo nos clubes colombianos ou muito melhor.

Qual a posição que se sente mais confortável em campo?

Depende do que queira o treinador. Se me quer utilizar como primeiro homem, o “volante tapón”, como se diz aqui na Colômbia, posso fazer. Se quiser, eu saio para o jogo, faço também sem problemas. Tenho essas duas características. Estava jogando mais como segundo volante.

Está em condições de chegar e jogar?

Estou pronto para jogar, vinha fazendo pré-temporada com o Junior Barranquilla desde 7 de janeiro. Parei uns dias para solucionar toda a negociação. Vou treinar com o Deportivo Cali amanhã (sexta), seguramente meu último treinamento antes de ir para o Rio à noite.

Em entrevista ao “El Heraldo”, da Colômbia, você disse que seu futebol combinava com o espanhol. Esteve perto de fechar com o Celta de Vigo, mas não aconteceu. Alguma frustração pro isso?

Nada de frustração. Se houve alguma frustração, ela existia enquanto ainda não tinha aparecido o Flamengo. Quando apareceu o Flamengo não pensei nenhum segundo para tomar a decisão. É um enorme orgulho de estar nesse clube tão lindo.

Já se imagina atuando num estádio com a história do Maracanã?

A expectativa é muito grande, é um estádio onde qualquer jogador quer jogar. É o meu caso e espero que seja nas melhores condições para dar o melhor de mim.

Fonte: Globo Esporte